Uncategorized

Diversidade sonora foi o grande atrativo da 1ª noite de shows do V Festival Internacional da Sanfona

A primeira noite de shows do V Festival Internacional da Sanfona proporcionou muitas emoções nesta quinta-feira (15), na Arena do Centro de Cultura João Gilberto, quando os instrumentistas Edglei Miguel (PB), Mahatma Costa (PE), Simone Zanchine (Itália) e Daniel Itabaiana (BA), se revezaram no palco e mostraram ao público presente que o fole da sanfona  é capaz de promover uma sonoridade impar, perpassando pelos mais variados estilos musicais.

    

A noite de shows que atraiu não  só o juazeirense, mas pessoas de regiões variadas do estado e do país, começou com a participação do músico, cantor, compositor e produtor musical, Edglei Miguel, que com sua simpatia interagiu com a plateia e mostrou seu estilo próprio de tocar sanfona, explorando uma diversidade de ritmos que foi do Jazz aos clássicos do Forró.

O premiado acordeonista Pernambucano, Mahatma Costa, fez do palco sua casa, brincou com o público durante todo o show e mostrou através do dedilhado do teclado da sanfona que foi aluno do Mestre Camarão e porque conseguiu o título de campeão mundial do acordeon em 2015, na Finlândia.

Em seguida o Italiano Simone Zanchini  deu um verdadeiro show de talento, afinação e irreverência com as apresentações de clássicos variados e de sua autoria, transformando o  tempo do seu show numa viagem sensorial conduzida pelos acordes do seu acordeon.

E para finalizar a primeira noite de shows o juazeirense Daniel Itabaiana, uma das crias do Festival Internacional da Sanfona, mostrou que a sanfona reina ao tocar o xote e o baião e fez o público se levantar e dançar.

“Sempre faço questão de acompanhar o Festival, e confesso que sempre aguardo com ansiedade a próxima edição. Essa diversidade de ritmos e culturas que é marca registrada do evento é mágica”, disse a professora Erica Farias. Já o aposentado Dario Albuquerque que veio de Salvador para acompanhar o festival conta que a paixão pelo instrumento  só aumenta ao assistir mestres mostrarem a potencialidade musical do instrumento. “Toda a programação do evento é fascinante, desde as aulas de sanfona até os shows e o convívio que temos com esses mestres durante o evento, todo esse conjunto é bastante atrativo”, declara Albuquerque.

       

Sequência – o Festival Internacional da Sanfona prossegue com a realização de oficina de sanfona das 09h às 13h, Workshop “A Importância da Concertina na Música Irlandesa” com Jason O’Rourke (Irlanda do Norte), das 15h às 17:30, Jan Sanfona Session às 17h e shows a partir das 20h. Toda programação é gratuita e acontece no Centro de Cultura João Gilberto.

O Festival Internacional da Sanfona é uma realização da Conspiradoria Projetos e Produções e Toca Pra Nós Dois Produções e Eventos Ltda, conta com o apoio financeiro do Governo do Estado da Bahia via Fundo de Cultura, através do Edital de Eventos Calendarizados 2016, e apoio institucional da Convocatória Ocupe Seu Espaço, ambos da Secretaria de Cultura da Bahia.

 

Leave a Reply